Sábado, 30 de Outubro de 2004
Inexplicável tristeza
[...]

Inexplicável tristeza
Na solidão premeditada
Que não mostra a fraqueza
De embora triste ser cantada

[...Tristeza renascida da ausência de quem nos quer bem...]
publicado por ridufa às 15:06
link do post | comentar | ver comentários (32) | favorito
|
Sexta-feira, 29 de Outubro de 2004
Devora[-nos]
Devora[-nos] o instante
A passagem do tempo
Eternamente constante

Devora[-nos] o sentir
A urgência do vento
Eternamente a dissentir

Devora[-nos] a vida
A loucura dos sonhos
Eternamente esquecida
publicado por ridufa às 17:50
link do post | comentar | ver comentários (24) | favorito
|
Quinta-feira, 28 de Outubro de 2004
O-[dis]-posto
Cego o simples desejo
De se querer o oposto
Apetecendo o disposto
Pretendo o que almejo

Já nem sequer [pre]vejo
O todo do sonho deposto
Temo apenas o desgosto
Para além do que ensejo
publicado por ridufa às 17:54
link do post | comentar | ver comentários (26) | favorito
|
Quarta-feira, 27 de Outubro de 2004
Sou
Sou
[Sou]

Já me canso pelo ser
[Ser sem razão de ser]

Por não existir o que é
[É o que não quer parecer]

Saudades eternas o são
[São infinitas por o merecer]

Por não sentir o que somos
[Somos... nada temos a perder]
publicado por ridufa às 20:14
link do post | comentar | ver comentários (32) | favorito
|
Terça-feira, 26 de Outubro de 2004
Há dias assim...
Há dias
Em que só uma lágrima
Nos serve de consolo
Todas as palavras são vãs,
Todos os carinhos inúteis

Há dias
Em que nada nos anima
Onde perdemos o controlo
Esperando pelas manhãs,
Sentindo-nos apenas fúteis

Há dias
Em que sente uma lástima
Onde se leva longe o dolo
Vivendo as loucuras sãs
Que só desejam ser úteis
publicado por ridufa às 19:59
link do post | comentar | ver comentários (34) | favorito
|
Segunda-feira, 25 de Outubro de 2004
...Divagando...
[...]

Memórias que se cruzam
Em sonhos que padecem
De ser bem mais reais
Que a própria realidade

[...]
publicado por ridufa às 00:26
link do post | comentar | ver comentários (30) | favorito
|
Sábado, 23 de Outubro de 2004
Dizer adeus
Não pretendo dizer adeus
Nem sequer me despedir
Não deixo os sonhos meus
Que em versos tento medir

Não pretendo dizer adeus
Nem sequer me desculpar
Não deixo os sentidos teus
As mil esperanças espolpar

Não pretendo dizer adeus
Nem sequer me esconder
Mas não deixo ensejos seus
Aos meus desejos responder
publicado por ridufa às 18:01
link do post | comentar | ver comentários (20) | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Agosto 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
27
28
29
30
31
.posts recentes

. Mundo (In)visível

. Improvisos do momento

. Achas que ninguém sente.....

. Achas que ninguém vê...

. Falha de comunicação

. Até um dia

. A cor do dia em que parti

. Alma nos montes

. Quando os olhos fecho

. Memórias

.arquivos

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

blogs SAPO
.subscrever feeds