Segunda-feira, 29 de Agosto de 2005
Sem contrariedades contrariando
Brinco com fogo sem me queimar
Quando em cinzas ainda estou
Vivo para brincadeiras teimar
Sem contrariar o que sou

[... a brincar se fala a sério ... ]
publicado por ridufa às 16:28
link do post | comentar | ver comentários (16) | favorito
|
Terça-feira, 23 de Agosto de 2005
Silêncio[s]
O silêncio [entre nós]
Nunca o houve ou senti
Talvez por isso magoem
Os instantes agora a sós

Fechamo-nos em torres imensas
De pedra ou areia [tanto faz]
Mas que são frias e densas
Que a nenhum de nós praz

Nada mais há a fazer
Nada mais a acrescentar
A não ser o lamento dizer
De não o conseguir mudar
[sozinha!]

[ ...quem sabe se tudo um dia volta a ser como dantes... ou melhor ainda! ]
publicado por ridufa às 07:46
link do post | comentar | ver comentários (14) | favorito
|
Terça-feira, 16 de Agosto de 2005
Porto invicto
Invicta
De cognome a cidade
Convicta
De sua beleza e vaidade
Adicta
Ao rio isento de idade

[Quem vê um pôr do sol no Porto... jamais se esquece!]
publicado por ridufa às 10:29
link do post | comentar | ver comentários (20) | favorito
|
Quinta-feira, 11 de Agosto de 2005
Elemento[s] de vaidade
Desce a noite
Com seu manto negro
Repleto de luzes e estrelas
Que de longe me encanta vê-las
...
Segredo
Esconde-o a lua
Mostrando-o à face nua
E a todos que a vêem como sua
...
Simplicidade
Da negra noite
Das estrelas e da lua
Nada mais é na verdade
Que um elemento de vaidade
publicado por ridufa às 07:43
link do post | comentar | ver comentários (12) | favorito
|
Quarta-feira, 3 de Agosto de 2005
Reconhecimento
Abro os braços ao mundo
E recebo-o de mão aberta
Aceitando a realidade incerta
Dos sentimentos de fundo

[... E sinto a brisa entre dedos... este é o meu presente mundo...]
publicado por ridufa às 07:18
link do post | comentar | ver comentários (30) | favorito
|
Segunda-feira, 1 de Agosto de 2005
Fragilidade
Frágil
Ao toque, ao som
Ao sopro do oitavo tom

Sou frágil
Ao sentir, no amar
Às ondas e marés do mar

Sinto, sou frágil
Não adianta fugir
Estou cansada de fingir

Eu sinto, sou frágil
No tornar tudo sem jeito
Nos medos que carrego ao peito

[...sinto que te magoo a cada segundo que passa...]
publicado por ridufa às 11:34
link do post | comentar | ver comentários (28) | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Agosto 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
27
28
29
30
31
.posts recentes

. Mundo (In)visível

. Improvisos do momento

. Achas que ninguém sente.....

. Achas que ninguém vê...

. Falha de comunicação

. Até um dia

. A cor do dia em que parti

. Alma nos montes

. Quando os olhos fecho

. Memórias

.arquivos

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

blogs SAPO
.subscrever feeds