Quarta-feira, 18 de Agosto de 2004
Crença
Parto em silêncio
Para não acordar a dor
Adormecida ternamente
Em lençóis de amor

[...e sonho...]

Adormecida ternamente
A pele espera o toque
Em arrepios de desejo
Que um olhar invoque

[...e acordo...]

Em arrepios de desejo
Fechado agora a cadeado
Por chaves de ilusões
Em nós de futuro adiado

[...e sonho acordada...]

Por chaves de ilusões
Deixo a porta entreaberta
Restando no fundo a crença:
«Talvez um dia a deixe aberta»
publicado por ridufa às 17:20
link do post | comentar | favorito
|
30 comentários:
De ridufa a 21 de Agosto de 2004 às 13:47
Charlotte: Obrigada. Volta sempre ;) Bjs
De Charlotte a 21 de Agosto de 2004 às 13:15
Bonito poema. Parabéns pelo blog!
De ridufa a 19 de Agosto de 2004 às 23:18
souuma: Um dia, uma noite... quando for... desde que seja ;) Bjs
De souuma a 19 de Agosto de 2004 às 23:08
Ou uma noite...
De ridufa a 19 de Agosto de 2004 às 21:13
MWoman: É necessário encontrar um equilíbrio... entre a maior e a menor abertura das portas... não nos privando do que existe cá dentro... não nos privando do que existe lá fora ;) Bjs (Bem-vinda de novo... espero que com nova força...)
De ridufa a 19 de Agosto de 2004 às 21:11
Dhmpr: As portas vão-se abrindo a pouco e pouco, as velas são acesas todos os dias... com os votos de que iluminem e dêem a força de que preciso. Desejo-te umas boas férias. Aguardo o teu regresso em Setembro ;). Obrigada pelo apoio. Bjs
De ridufa a 19 de Agosto de 2004 às 21:08
Monica: Obrigada. ;) Bjs
De MWoman a 19 de Agosto de 2004 às 19:21
Nem muito aberta nem completamente fechada! Bonitas as tuas palavras como sempre. Beijos
De Dhmpr a 19 de Agosto de 2004 às 18:19
"Restando no fundo a crença"

A crença que fica para sempre...
A porta entreaberta como um convite... um convite a que todos os teus sonhos e desejos entrem por ela e que a felicidade irrompa dentro de ti!

Acredita, que mesmo tu tendo apenas a porta entreaberta, consegues abrir bastantes mais portas... pelo menos naqueles que leêm a tua poesia e que se "envolvem" na tua vela.
Pelo menos... eu saio daqui um pouco mais iluminado pelo calor que ela irradia.

Muitos parabéns pela tua lindíssima capacidade de escrever e se a minha modesta opinião tiver alguma importância... continua a acender muitas velas e a abrir muitas portas, porque não só tu mas todo o Mundo à tua volta têm muito a ganhar com isso.
Beijinhos e em Setembro quando voltar colocarei a leitura em dia :-)
De Monica a 19 de Agosto de 2004 às 17:51
Adorei o teu poema. 1 grande beijo*

Comentar post

.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Agosto 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
27
28
29
30
31
.posts recentes

. Mundo (In)visível

. Improvisos do momento

. Achas que ninguém sente.....

. Achas que ninguém vê...

. Falha de comunicação

. Até um dia

. A cor do dia em que parti

. Alma nos montes

. Quando os olhos fecho

. Memórias

.arquivos

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

blogs SAPO
.subscrever feeds